Ir para conteúdo
FCC

Professor (Brasil)

Felipe Bruno

Natural de Niterói, Rio de Janeiro, Felipe iniciou seus estudos musicais em 1997, aos 11 anos de idade, no Colégio Salesiano Santa Rosa, nesta mesma cidade, tendo como seu primeiro professor e incentivador, o Maestro Affonso Gonçalves Reis, antigo regente, falecido em 2011, sendo apresentado por ele aos instrumentos de Percussão.

Em 1998, começou a fazer parte da Banda Musical desta instituição, que em Novembro de 2008, aos 120 anos, recebeu o título de Patrimônio Cultural do Estado do Rio de Janeiro.

Lá, Felipe teve aulas teóricas e práticas com Márcio Meirelles, Subtenente e atual Maestro Titular da Banda Sinfônica do Corpo de Bombeiros do Estado do Rio de Janeiro, se aperfeiçoando cada vez mais em instrumentos percussivos.

Realizou concertos em várias Salas, como a Sala Cecília Meirelles, Escola de Música da UFRJ, entre outras, e em importantes palcos como o do Theatro Municipal do Rio de Janeiro, Teatro Municipal de Niterói e Cine Arte UFF.

No ano de 2001, Felipe começou a frequentar os ensaios de bateria da Unidos do Viradouro, Escola de Samba do carnaval carioca, desfilando no carnaval de 2002, onde permanece até hoje, tocando Caixa de Guerra.

Em 2003, tornou-se percussionista da Orquestra de Baile “Barrados no Baile”, onde permaneceu até 2006.

Convidado a fazer parte do “Grupo de Metais e Percussão da UFRJ” em 2005, sob a regência do Maestro Antônio Henrique Seixas, fez concertos pela cidade do Rio de Janeiro, se destacando e sendo chamado em 2006, para o mesmo grupo, sendo este, da “Orquestra Sinfônica Brasileira Jovem” (OSBJ), fazendo viagens e apresentando-se em algumas cidades do Estado, tendo aulas com o percussionista da “Orquestra Sinfônica Brasileira” (OSB), Rodrigo Foti.

Em 2007, tocando percussão em músicas populares no “Bloco do Vigário”, tornou-se monitor e professor de Caixa de Guerra e Surdos na “Oficina de Ritmos do Bloco do Vigário”, que com pouco tempo de projeto, virou umas das mais conhecidas escolas de ritmos em Niterói.

Fez aulas e gravações musicais com o músico percussionista Ney Rosauro, professor da University of Calgary - Miami, no ano de 2008.

Neste mesmo ano, fez parte como pandeirista, no tradicional grupo de samba e choro, “Tio Samba”, que por sua vez já realizou diversos shows com nomes consagrados do samba carioca, como Walter Alfaiate, Délcio Carvalho, Tia Surica, entre outros, tendo seu primeiro álbum gravado em 2003, com as ilustres participações das cantoras Teresa Cristina, Simone Lial e do percussionista Pedrinho Lima.

No ano de 2010, teve uma participação na gravação do filme “Heleno de Freitas”, atuando como músico-ator, contracenando com Rodrigo Santoro e Aline Moraes.

Em 2011, participou de cursos musicais, tendo como principais “O Passo” e “O Passo para Professores”, criado e desenvolvido pelo músico brasileiro, Lucas Ciavatta.

Também em 2011, foi contratado para dar aulas de música no Projeto Mais Educação, do Governo Federal, que beneficia crianças de escolas públicas, com aulas extras de artes, esportes, Matemática e Português, além de ter sido o primeiro professor e regente da Oficina de Ritmos da Engenharia, oficina para os alunos do curso de Engenharia da UFRJ.

No ano de 2013, gravou a trilha sonora do filme “Flores Raras”, estrelado por Glória Pires e Miranda Otto.

Desde 2012, Felipe dá aulas de percussão, regente e Mestre de Bateria, ao lado Gabriel Policarpo no Batuquebato. Um conceituado grupo de Percussão, já tendo tocado com nomes consagrados do cenário musical, como Carlos Malta e Marcos Sacramento, além das revelações, o guitarrista Guilherme Schwab e os cantores Thiago Cunha e Renata Jambeiro.

Atualmente, é professor de percussão popular no bloco Empolga às 9, além de Produtor e Diretor Musical, Mestre de Bateria e regente do Bloco Exagerado, bloco temático do Carnaval carioca, que homenageia o músico Cazuza e a banda Barão Vermelho.