Ir para conteúdo
FCC

17h16

Edição virtual termina com mais de 50 mil visualizações

Mais de 50 mil pessoas de dez países assistiram à programação da 38ª Oficina de Música de Curitiba, que terminou neste domingo (31/1), depois de 15 dias de atrações do Brasil e do exterior. Foram 83 concertos, shows, encontros, aulas e bate-papos 100% on-line, em cumprimento às exigências sanitárias de afastamento social. O resultado foram 52.856 visualizações nas exibições de vídeos e transmissões ao vivo. 

O público em condições de vir à Oficina, desta vez, não precisou estar fisicamente na cidade. Em compensação, quem não teria condições de vir – por causa da distância ou do custo implicado no deslocamento de grandes grupos de músicos - participou pela primeira vez.

Foi o caso da Amazônia Jazz Band ou da Sinfônica de Sergipe que, por vídeo, esteve no Encontro Nacional de Orquestras – uma das atrações da fase erudita do evento e que abriu a programação da Oficina. O Encontro Nacional de Ópera foi outro evento da fase erudita.

Foram 64 lives e streamings variadas. Entre elas destacam-se as apresentações dos argentinos Daniel Binelli (do Quinteto Piazzolla) e da banda Escalandrum, os bate-apos com grandes nomes da MPB (como Mônica Salmazo, Lenine, João Bosco e Criolo) e as performances das crianças e adolescentes do MusicaR (o projeto de musicalização promovido nas Administrações Regionais), entre outros.

Artistas, público e tecnologia

A Capela Santa Maria, a Capela da Glória e os teatros Paiol e Guaíra, além do Oratório de Bach e da Sociedade Garibaldi, receberam cantores e instrumentistas para os shows ao vivo de Curitiba. 

Para os participantes do Circuito Off e do festival Jazztronômica, a casa dos artistas ou os espaços destinados a ensaios também funcionaram como palcos dos espetáculos.

A abertura do evento (17/1) e o show de encerramento da Orquestra à Base de Corda com o acordeonista Mestrinho, neste domingo (31/1), foram os espetáculos mais acessados (com 2.930 e 1.965 visualizações). A seguir, a audiência se pulverizou entre as diferentes atrações.

Depois do Brasil, Argentina e Portugal foram os países que mais participaram da Oficina de Música. Alemanha, Egito, Países Baixos, Canadá, Estados Unidos, Chile e Uruguai registraram sua audiência no evento, que também teve alunos da Polônia, México, Irlanda, Estados Unidos, Itália, França, Chile e Peru. 

A maior parte dos alunos e ouvintes garantiu participação por meio de smartphones (26.568 ou 61,6%).

Além dos cursos ministrados por instrumentistas de excelência como Marcos Suzano e Davi Sartori, pela segunda vez consecutiva foram ofertadas modalidades destinadas ao público com deficiência. Assim como pessoas cegas e com baixa visão, que tiveram aulas de instrumentos em 2020, desta vez foram contemplados músicos e educadores que trabalham com surdos e autistas.

Parceria

A 38ª Oficina de Música de Curitiba é uma realização da Prefeitura de Curitiba, Fundação Cultural de Curitiba e do Instituto Curitiba de Arte e Cultura (Icac), com apoio máster da Pontifícia Universidade Católica do Paraná. Família Farinha, Escola de Música e Belas Artes do Paraná, Universidade Estadual do Paraná (Unespar), Consulado da República Argentina em Curitiba e Consulado Geral dos Estados Unidos em São Paulo também apoiam o evento. Este projeto foi contemplado pelo Prêmio Funarte Festivais de Música 2020.

Autor: Fundação Cultural de Curitiba
Fonte: Assessoria de Imprensa

Fale com a comunicação

Veja Também

Outras Notícias

Edição virtual termina com mais de 50 mil visualizações

Continue lendo

Concerto de encerramento mistura estilos e linguagens

Continue lendo

Mestrinho e Orquestra À Base de Corda celebram Dominguinhos e Piazzolla

Continue lendo

Show exalta Milton Nascimento e a força de negros e mulheres

Continue lendo

Oficina de Música é destaque em jornal egípcio

Continue lendo