Ir para conteúdo
FCC

09h04

Cantor lírico indicado ao Grammy participa da Oficina de Música de Curitiba

Nomes de grande destaque no cenário musical participam da 38ª Oficina de Música de Curitiba – Edição Virtual, que começa no próximo domingo (17/1). Entre eles o barítono Paulo Szot, astro brasileiro do canto lírico que brilha em palcos internacionais. Vencedor do Tony Awards (o Oscar dos musicais, o maior prêmio do teatro norte-americano), e indicado ao Grammy pela sua atuação no musical “South Pacific”, o cantor participará da classe de Ópera, no dia 20 de janeiro.

Paulo Szot conversará com os alunos sobre formação no canto lírico como base técnica para abordagem de qualquer repertório. Ele mesmo é um exemplo dessa versatilidade ao transitar entre óperas e musicais.

O paulista começou sua carreira no Teatro Municipal de São Paulo, em 1997, na ópera Barbeiro de Sevilha, de Rossini. A partir daí, participou de uma série de produções, ultrapassou fronteiras e ganhou os principais palcos do mundo. Foi o primeiro brasileiro a se apresentar no Metropolitan Opera House, em 2010. Cantou também no New York City Opera, San Francisco Opera, Canadian Opera Company, Grande Teatro do Liceu de Barcelona, Ópera Garnier de Paris e Ópera Nacional de Bordeaux.

Sua incursão no universo dos musicais também foi muito bem sucedida. A estreia em 2008 na Broadway com “South Pacific” lhe rendeu, entre outras importantes premiações, o troféu Tony Awards de melhor ator em musical. Atualmente, Szot interpreta o personagem Billy Flynn, no musical “Chicago”, na Broadway.

Outras estrelas

A 38ª Oficina de Música de Curitiba tem outros grandes nomes da música erudita e popular em sua programação. O violinista Moisés Lima, um dos integrantes da Família Lima, é um dos convidados da classe de violino do professor Cármelo de los Santos. Ambos são mágicos e estudiosos do ilusionismo. Eles vão conversar sobre o aspecto do entretenimento e expor os paralelos entre o ilusionismo e a prática do instrumento de cordas, abordando a composição de um programa/show, presença de palco, criação de expectativa, envolvimento do público e comunicação gestual.

Moisés Lima faz parte de uma história de sucesso da Família Lima, grupo que nasceu em 1994 e saiu do Rio Grande do Sul para shows em todo o Brasil e em mais 13 países, entre eles, Estados Unidos, Áustria, França, Espanha e Alemanha. Fez apresentação na Praça São Pedro, no Vaticano, para o papa João Paulo II e um público de 500 mil pessoas. Com nove discos e dois DVDs lançados, já vendeu mais de 1 milhão de cópias, marcando estilo próprio de fusão da música erudita com o pop.

O violonista curitibano Fábio Lima é um dos mais premiados de sua geração, vencedor de importantes prêmios nacionais e internacionais, como o Julian Bream Prize (Londres, 2012) e o XVIII Concurso Nacional Souza Lima (São Paulo, 2007). Produtor musical e youtuber, ele possui mais de 1 milhão de seguidores em suas redes sociais. Fábio Lima é o convidado da classe de violão do professor Paulo Martelli para falar dos diferentes meios de interação do músico com o seu público.

Fábio Mechetti, regente de uma das principais orquestras brasileiras, a Filarmônica de Minas Gerais, estará na classe de regência orquestral do maestro Abel Rocha, conversando sobre carreiras e direção musical de grandes organismos. Antes de dirigir a orquestra mineira, Mechetti passou pela regência de importantes orquestras internacionais: Orquestra Filarmônica da Malásia (foi o primeiro brasileiro a ser titular de uma orquestra asiática), Orquestra Sinfônica de Jacksonville, Estados Unidos (foi seu regente titular por 14 anos), Orquestra Sinfônica Nacional de Washington, Orquestra Sinfônica de San Diego e Orquestra Sinfônica de Nova Jersey. Dirigiu concertos em diversos países em todo o mundo e também foi aclamado como regente de ópera, quando esteve à frente da Ópera de Washington.

Na área da música popular, a 38ª Oficina de Música de Curitiba também será marcada pela presença de alguns dos mais significativos artistas brasileiros. Participam das “Aulives” (bate-papos sobre música, cultura e arte no Brasil) a cantora Mônica Salmaso, os cantores e compositores João Bosco, Zeca Baleiro, Lenine e Criolo, e ainda o baterista Charles Gavin, das bandas RPM, Ira! e Titãs, eleito “melhor baterista” pelo Prêmio Bizz em 1989.

Com a homenagem dirigida a Astor Piazzolla, a 38ª Oficina conta também com a participação de Daniel Binelli, mestre do bandoneon reconhecido internacionalmente, que integrou o Sexteto Nuevo Tango de Piazzolla; e ainda a banda Escalandrum, da Argentina, que tem o neto de Piazzolla, Daniel (Pipi), entre os seus integrantes.

Parceria

A 38ª Oficina de Música de Curitiba é uma realização da Prefeitura de Curitiba, Fundação Cultural de Curitiba e do Instituto Curitiba de Arte e Cultura (Icac), com apoio máster da Pontifícia Universidade Católica do Paraná.

As organizações Família Farinha, Escola de Música e Belas Artes do Paraná, Universidade Estadual do Paraná (Unespar), Consulado da República Argentina em Curitiba e Consulado Geral dos Estados Unidos em São Paulo também apoiam o evento. Este projeto foi contemplado pelo Prêmio Funarte Festivais de Música 2020.

Serviço:

38ª Oficina de Música de Curitiba

De 17 a 31 de janeiro de 2021

Inscrições e informações: www.oficinademusica.curitiba.pr.gov.br

Autor: Fundação Cultural de Curitiba
Fonte: Assessoria de Imprensa

Fale com a comunicação

Veja Também

Outras Notícias

Edição virtual termina com mais de 50 mil visualizações

Continue lendo

Concerto de encerramento mistura estilos e linguagens

Continue lendo

Mestrinho e Orquestra À Base de Corda celebram Dominguinhos e Piazzolla

Continue lendo

Show exalta Milton Nascimento e a força de negros e mulheres

Continue lendo

Oficina de Música é destaque em jornal egípcio

Continue lendo