Ir para conteúdo
FCC

Programação Artística

janeiro 2021

RECITAL DE VIOLINO

Horário
12h00
Preço
Gratuito

Alejandro Aldana - Violino

22 DE JANEIRO (SEX), 12H - Oratório Bach

Transmissão ao vivo pelo link: www.oficinademusica.org.br/aovivo

PROGRAMA

Johann Sebastian Bach (1685-1750)

Partita para violino nº 2 e Chaconne

Allemande

Courante

Sarabande

Gigue

Chaconne

NOTA DE PROGRAMA

A Partita nº 2 em Ré menor para violino solo, BWV 1004 de Johann Sebastian Bach foi escrita entre 1717 e 1720. É uma parte de seu ciclo composicional denominado Sonatas e Partitas para violino solo. Ela possui cinco movimentos que são frequentemente listados em francês: Allemande, Courante, Sarabande, Gigue e Chaconne. Com exceção da Chaconne, os demais movimentos são tipos de dança da época. O movimento final é escrito na forma de variações, e dura aproximadamente tanto quanto os primeiros quatro movimentos combinados. O violinista Joshua Bell fez a seguinte declaração sobre a Chaconne: "não é apenas uma das maiores peças musicais já escritas, mas uma das maiores realizações de qualquer homem na história. É uma peça espiritualmente e emocionalmente poderosa, e estruturalmente perfeita".

BIOGRAFIA

Alejandro Aldana (SP) - Violino

É um violinista brasileiro-argentino, spalla da Orquestra Sinfônica do Teatro Municipal de São Paulo desde 2018. Anteriormente, foi spalla da Orquestra Sinfônica Brasileira, entre 2011 e 2015. Como solista, já se apresentou com várias orquestras do Brasil, Argentina, Alemanha e Itália. É vencedor de prêmios nos seguintes concursos internacionais: El Sonido y el Tiempo, Concorso Internazionale F. Zadra e Northland Music Collaege Violin Competition.

 

FICHA TÉCNICA INSTITUCIONAL

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA

Prefeito

Rafael Greca de Macedo

FUNDAÇÃO CULTURAL DE CURITIBA

Presidente

Ana Cristina de Castro                                                             

Diretor Administrativo e Financeiro

Cristiano Augusto Solis de Figueiredo Morrissy

Diretor de Ação Cultural

Edson Bueno

Diretor de Planejamento

José Roberto Lança

Diretor de Patrimônio Histórico, Artístico e Cultural

Marcelo Sutil

Diretora de Incentivo à Cultura

Loismary Ângela Pache

INSTITUTO CURITIBA DE ARTE E CULTURA

Diretor Executivo

Marino Galvão Jr.

Gerente Administrativo/Financeiro

Maria Eduarda Rigos Maia Prata Bahls

Coordenadora de Música

Janete Andrade

Assessoria Jurídica

Simone Konitz

OFICINA DE MÚSICA DE CURITIBA

Direção Artística Geral

Janete Andrade

Direção Artística Música Erudita

Abel Rocha

Direção Artística Música Antiga

Rodolfo Richter

Direção Artística Música Popular Brasileira e Música e Tecnologia

João Egashira

Curadoria do Programa MusicaR

Ângela Deeke Sasse, Cristiane Alexandre, Guilherme Romanelli

Curadoria Circuíto Off

Glauco Sölter

Curadoria Oficina Verde

Marcia Squiba

Coordenação do Projeto e Secretaria

Lucilene Ribas

Coordenação de Produção

Lilian Ribas

Produção Executiva

Alício Cardoso

Rogério Dimi

Altair de Oliveira

Bete Carlos

Mario Marcelo de Oliveira

Projeto MusicaR

Daiana Hostins

Suellen Moraes

Arquivista

Clara de Lanna

Comunicação 

Ana Luzia Gori Palka Miranda

Midias Sociais

Viridiana de Macedo

Alessandra Pastuch

Gabriela Maciel de Castro

Fernanda Suemi de Brito Katto

Design Gráfico

Clarice Midori Umezaki Iwashita

Designers

Luana Chemin

Guto Stresser

Confecção de Programas

Darci Almeida

Suporte de TI

David Moura

Suporte de Edição

Cristiane Wozniak

Captação de Áudio

Eduardo Usui Schoetten

Técnico de Som

Beto Japa

Francisco Santarosa

Assistente

Tiago Bruel

Transmissão

Fauno Filmes

Produção

Gustavo Solieri

Direção

Ricardo Tomasi

Operação

Leandro Gulin

Assistente de produção

Paulo Macedo

Assistente de produção

Camila Luiza

          INFORMAÇÕES: www.oficinademusica.org.br

ENCONTRO VIRTUAL NACIONAL DE ORQUESTRAS

Horário
17h30
Preço
Gratuito

Atenção: O concerto será apenas transmitido pelo Link: www.oficinademusica.org.br/aovivo

Não haverá presença de público em razão dos protocolos de distanciamento social  devidos à Covid 19.  

 

Orquestra GRU Sinfônica  (Guarulhos)

Regência -  Emiliano Patarra

Programa - Edmundo Villani-Cortês – Abertura Djopoi

 

Orquestra Sinfônica da UFRJ 

Regência -  Norton Morozowicz

Programa - Modinha e Fuga para cordas de Alceo Bocchino

 

Orquestra Sinfônica da UEL

Regência - Alessandro Sangiorgi

Programa - La Fiesta de Chick Corea - Arranjo de Vitor Gorni

Solistas - Marcello Casagrande – Vibrafone e Mateus Gonsales - Piano

 

Orquestra Sinfônica do Theatro da Paz

Regência -  Miguel Campos Neto

Programa - Eine kleine Nachtmusik - Wolfgang Amadeus Mozart

RECITAL DE CANTO E PIANO

Horário
19h00
Preço
Gratuito

Edna D’Oliveira - Soprano

Vagner Ferreira - Piano

22 DE JANEIRO (SEX), 19H

Transmissão ao vivo pelo link: www.oficinademusica.org.br/aovivo

 

PROGRAMA

CANÇÕES FRANCESAS

Francis Poulenc (1899-1963)

Voyage à Paris

Claude Debussy (1862-1918)

Nuit d´ Etoiles

Francis Poulenc (1899-1963)

C´est ainsi que tu est

Gabriel Fauré (1845-1924)

Mai

Erik Satie (1866-1925)

La Diva de L´empire

Gabriel Fauré (1845-1924)

Les Berceaux,

Reynaldo Hahn (1874-1947)

À Chloris

Olivier Messiaen (1908-1992)

Ciclo Trois Mélodies

Francis Poulenc (1899-1963)

Pour quoi, Le Sourire

Les Chemins de L´amour

NOTA DE PROGRAMA

Paris! Mon amour!

É um recital baseado nos grandes clássicos das canções francesas, do mais famosos compositores tais como Debussy, Poulenc, Fauré, Messiaen, Satie e outros. O formato do recital acompanha as novas tendências dos recitais europeus, onde o cantor deixa de ser apenas um intérprete e passa a ser um ator-intérprete. Apesar da forma online do recital, procuramos manter as traduções e ilustrações de alguns dos maiores pintores franceses. O clima de nostalgia e de amor, nos remete a uma Paris romântica, onde os amores são efervescentes e ao mesmo tempo fugazes. Paris é um sonho de amor, que no mês de maio, é rodeado de inúmeras flores e jardins encantados, propriciando aos amantes, o lugar perfeito para um novo amor.

BIOGRAFIAS

Edna D’Oliveira (SP) - Soprano

É uma das mais importantes sopranos na cena lírica brasileira aclamada por suas interpretações de Villa-Lobos, especialmente das Bachianas Brasileira nº 5 e das Canções da Floresta do Amazonas. Edna D’Oliveira vem interpretando estas obras no Brasil e no Festival Brazilian Classics do Arhst Center of Miami. Participou de especialização em Canto com Alex Ingram e Lionel Friend na English National Opera e Royal Academy em Londres. Tem ainda várias participações em festivais internacionais pela Europa, EUA, Argentina, Chile e Brasil. É solista de sucesso em óperas como Porgy and Bess, Andrea Chenier, Falstaff, A Víúva Alegre, Rigoletto, A Flauta Mágica, Elisir d´Amore, dentre outras. Participou de várias edições do Festival Amazonas de Ópera em Manaus e Belém do Pará. Em Bremen, na Alemanha, fez cursos de Lied e realizou concertos de Música Erudita Brasileira. Gravou a Floresta do Amazonas com a Filarmônica de Minas Gerais e com a qual inaugurou a Sala Minas Gerais cantando a 5. Sinfonia de Mahler. Edna D’Oliveira é vencedora do prêmio Carlos Gomes como melhor cantora solista. Frequentemente atua como solista convidada nas temporadas de concertos sinfônicos com a OSESP e várias orquestras pelo Brasil. Paralelamente a carreira solista, atua também como professora de canto na Escola Municipal da Fundação do Theatro Municipal de São Paulo e EMESP. Foi convidada pelo Atelier Chorale de Genebra, Suíça, para interpretar e gravar a Missa Crioula de Ariel Ramirez em maio de 2018, realizando simultaneamente concertos de música brasileira na Alemanha. Edna D’Oliveira está cursando para ser Bacharel em Fonoaudiologia, além de desenvolver um projeto de pesquisa sobre as Cantoras Líricas Negras Brasileiras.

Vagner Ferreira (SP) - Piano

Iniciou seus estudos de música em Mirassol (SP) sob orientação das professoras Márcia Muradi, Soraya Mubarack Oliveira e Zuleica Carvalho Moreira. Em São Paulo, tornou-se discípulo do pianista e professor Antônio Bezzan, com quem trabalhou por 5 anos. Bacharel em Música pela UNESP, formou-se na classe do pianista e professor Dr Nahim Marun. Possui o título de "Master of Music in Piano Performance and Pedagogy" obtido em 2006 pela Penn State University, onde estudou sob orientação do pianista Dr Paul Timothy. Obteve diversos primeiros lugares em vários concursos de piano no Brasil. No exterior, foi vencedor do "Prêmio Solista de Orquestra" promovido pela Universidade Estadual da Pennsylvania, tendo participado como solista da temporada 2006 da Penn State Symphony Orchestra (USA), e também vencedor do primeiro prêmio no 2006 PSU Graduate Exhibition pela execução da Sonata n. 1 de Alberto Ginastera. Pianista atuante no cenário brasileiro, apresenta-se tanto como recitalista, artista-colaborador ou solista de orquestra. Em 2015 apresentou-se junto à Symphonieorchester Collegium Musicum Potsdam (Alemanha) executando obras de Mendelssohn e Mignone. Dentre as orquestras brasileiras, teve a oportunidade de se apresentar junto à Petrobras Sinfônica, Orquestra Municipal de Campinas e Orquestra Sinfônica de Ribeirão Preto. Foi coordenador artístico do Concurso Nacional de Piano Mackenzie, promovido pelo Instituto Presbiteriano Mackenzie em 2015, e é também coordenador da série de recitais "Música na Capela" promovida pelo Instituto Presbiteriano Mackenzie, instituição à qual está ligado desde 2009. Atualmente, recebe orientações do pianista e compositor brasileiro Amaral Vieira.

 

FICHA TÉCNICA INSTITUCIONAL

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA

Prefeito

Rafael Greca de Macedo

FUNDAÇÃO CULTURAL DE CURITIBA

Presidente

Ana Cristina de Castro                                                             

Diretor Administrativo e Financeiro

Cristiano Augusto Solis de Figueiredo Morrissy

Diretor de Ação Cultural

Edson Bueno

Diretor de Planejamento

José Roberto Lança

Diretor de Patrimônio Histórico, Artístico e Cultural

Marcelo Sutil

Diretora de Incentivo à Cultura

Loismary Ângela Pache

INSTITUTO CURITIBA DE ARTE E CULTURA

Diretor Executivo

Marino Galvão Jr.

Gerente Administrativo/Financeiro

Maria Eduarda Rigos Maia Prata Bahls

Coordenadora de Música

Janete Andrade

Assessoria Jurídica

Simone Konitz

OFICINA DE MÚSICA DE CURITIBA

Direção Artística Geral

Janete Andrade

Direção Artística Música Erudita

Abel Rocha

Direção Artística Música Antiga

Rodolfo Richter

Direção Artística Música Popular Brasileira e Música e Tecnologia

João Egashira

Curadoria do Programa MusicaR

Ângela Deeke Sasse, Cristiane Alexandre, Guilherme Romanelli

Curadoria Circuíto Off

Glauco Sölter

Curadoria Oficina Verde

Marcia Squiba

Coordenação do Projeto e Secretaria

Lucilene Ribas

Coordenação de Produção

Lilian Ribas

Produção Executiva

Alício Cardoso

Rogério Dimi

Altair de Oliveira

Bete Carlos

Mario Marcelo de Oliveira

Projeto MusicaR

Daiana Hostins

Suellen Moraes

Arquivista

Clara de Lanna

Comunicação 

Ana Luzia Gori Palka Miranda

Midias Sociais

Viridiana de Macedo

Alessandra Pastuch

Gabriela Maciel de Castro

Fernanda Suemi de Brito Katto

Design Gráfico

Clarice Midori Umezaki Iwashita

Designers

Luana Chemin

Guto Stresser

Confecção de Programas

Darci Almeida

Suporte de TI

David Moura

Suporte de Edição

Cristiane Wozniak

Captação de Áudio

Eduardo Usui Schoetten

Técnico de Som

Beto Japa

Francisco Santarosa

Assistente

Tiago Bruel

Transmissão

Fauno Filmes

Produção

Gustavo Solieri

Direção

Ricardo Tomasi

Operação

Leandro Gulin

Assistente de produção

Paulo Macedo

Assistente de produção

Camila Luiza

          INFORMAÇÕES: www.oficinademusica.org.br

PROGRAMA MUSICAR APRESENTA: Live "Dr. Plástico em ação"

Horário
19h30
Preço
Gratuito

Atenção: O concerto será apenas transmitido pelo Link: www.oficinademusica.org.br/musicar   

Não haverá presença de público em razão dos protocolos de distanciamento social  devidos à Covid 19.  

 

Live - Show musical cênico interativo “Dr. Plástico em ação”

Com Dalga Larrondo (SP). Conexão com a música, a palavra e o gesto. Uma exposição musical para ser vista e ouvida, onde as sonoridades da dança e do teatro se encontram. Divertido, ousado, diferente, inteligente. Objetos e instrumentos musicais juntos, lado a lado. Dalga é músico e pesquisador com formação erudita e popular mergulhado nas áreas de palco, dança e teatro, apresenta seu personagem especial: “Dr. Plástico” um cientista musical doido por plásticos. Com teorias mirabolantes Dr. Plástico tenta comprová-las fazendo do plástico seu principal objeto de pesquisa.

 

Alejandro Di Núbila Trio

Horário
19h45
Preço
Gratuito

Alejandro Di Núbila - Bandoneón

Marsal Nogueira - Contrabaixo

Fábio Cardoso - Piano

22 DE JANEIRO (SEX), 19H45- Capela Santa Maria Espaço Cultural

Transmissão ao vivo pelo link: www.oficinademusica.org.br/aovivo

PROGRAMA

Heitor Villa-Lobos (1887-1959)

Melodia sentimental

Bachianas Brasileiras Nº 2 - O trenzinho do caipira

A canção Melodia Sentimental faz parte do ciclo “A Floresta do Amazonas”. Originalmente composta em 1958, é uma das últimas composições de Villa-Lobos, que foi feita por encomenda para a Metro Goldwin Mayer, como trilha sonora do filme “Green Mansions”, de Mel Ferrer (com Audrey Hepburn e Antony Perkins), e posteriormente lançado no Brasil com o título “A Flor que não Morreu”. Algumas das canções deste ciclo se tornaram as mais conhecidas do compositor, por conquistar a atenção de vários intérpretes.

A segunda peça traz o título Bachianas Brasileiras, dado por Villa-Lobos à série de nove suítes compostas a partir de 1930 a 1945, para diversos grupos instrumentais e vocais, remete diretamente à música de J. S. Bach, situando desde já a obra na corrente neoclássica da primeira metade do século XX. O Trenzinho do Caipira é parte integrante da Bachiana Brasileira nº 2. A obra se caracteriza por imitar o movimento de uma locomotiva com os instrumentos de uma orquestra.

Astor Piazzolla (1921-1992)

[Homenagem ao Centenário de Nascimento]

Duo de amor

Tanguería

Adiós nonino

Libertango

A proposta deste concerto é promover um encontro musical entre Villa-Lobos e Piazzolla, criando assim uma ponte cultural entre os nossos países, Brasil e Argentina.

A escolha destes dois compositores emblemáticos para a história da música, tanto Argentina quanto Brasileira, se deve a vários fatores que vão além da sua classificação como compositores nacionalistas, ou da emoção que as suas músicas nos proporcionam. A importância de ambos se deve à influência que exerceram nos rumos da criação musical dos seus respectivos países. Assim como em outros campos, a comparação entre os nossos países é cheia de paradoxos, na música não poderia ser diferente. Mas, numa visão mais próxima das nossas culturas, podemos observar que na realidade as diferenças se complementam e as coincidências são constantes. Só para citar uma delas, vale lembrar a influência que o pianista Arthur Rubinstein teve na carreira de ambos compositores, indicando a Piazzolla para estudar com Alberto Ginastera, e abrindo as portas da capital francesa para Villa Lobos.

Alejandro Di Núbila

BIOGRAFIAS

Alejandro Di Núbila (PR) - Bandoneón

É produtor e apresentador do programa “Tanguería”. Nasceu em Buenos Aires em 1965, e está radicado no Brasil desde 1990. Bandoneonista, arranjador e produtor musical, Alejandro Di Núbila mora em Curitiba a 30 anos, e adotou o Brasil como sua segunda pátria, onde vem desenvolvendo uma intensa atividade musical ligada principalmente ao tango e à execução de música brasileira. Estudou bandoneón no Conservatório Municipal de Buenos Aires com o professor Rodolfo Daluisio, e é formado em Licenciatura em Música pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Também aprofundou seu estudos de harmonia, contraponto e análise com o maestro Osvaldo Colarusso, e harmonia e arranjo popular com o professor Vicente Ribeiro. Em Buenos Aires fez sua estreia dentro do tango, aos 21 anos, se apresentando na tradicionalíssima casa de tangos “El Viejo Almacén”, junto ao grupo “Buenos Aires del 900”. Desde 2000 vem se apresentando semanalmente em espaços culturais e casas de shows da cidade de Curitiba. Também tem participado de peças de teatro, como compositor, arranjador e músico. Em 1994 participa como músico da “Ópera dos Três Vinténs” de Bertolt Brecht e Kurt Weill, no Teatro Guairinha de Curitiba. Em 2007, saiu em turnê como solista da Orquestra de Milão “La Verdi”, com a qual tocou em diversas cidades na Itália sob a direção do maestro Luis Bacalov. Em agosto de 2011 realizou através de edital, dois concertos na Capela Santa Maria de Curitiba com o título de “Encontros: Astor Piazzolla e Villa Lobos”, que resultou na gravação em 2014, do seu primeiro CD através da Lei Municipal de incentivo à Cultura de Curitiba. Em julho de 2012 realizou uma série de concertos de Tango pelo interior do Paraná a convite do SESC Paraná, e no mesmo ano produziu um espetáculo em homenagem a obra de Astor Piazzolla no teatro Positivo de Curitiba, tendo como artista convidada a cantora Rogeria Holtz. Desde outubro de 2011 produz e apresenta na Rádio Educativa do Paraná o programa “Tanguería: um lugar de encontro com o Tango”, onde é mostrado todo o universo musical e cultural do tango.

Marsal Nogueira (PR) - Contrabaixo

Marsal Nogueira é paranaense e nasceu em Curitiba em 1979. É Formado em Licenciatura em Música pela Faculdade de Artes do Paraná. Sua vida musical inicia-se através da música popular. Desde 2010 atua como contrabaixista da Orquestra Sinfônica do Paraná.

Fábio Cardoso (PR) - Piano

Formado na Escola de Música e Belas Artes do Paraná, é pianista, compositor e arranjador. Seu mestre no piano popular foi o também pianista, arranjador e maestro Marcos Leite. Com uma extensa participação junto ao Vocal Brasileirão e Orquestra à Base de Corda, grupos ligados ao Conservatório de Música Popular de Curitiba, atuou em shows ao lado de grandes nomes e referências da MPB. Fábio Cardoso é um músico eclético que transita com muita facilidade entre a música erudita e a MPB. Tem inúmeras participações em concertos, shows com gravações de CDs e DVDs de vários artistas. Fábio integrou o elenco de “Molière – Uma Comédia Musical de Sabina Berman”, com Matheus Nachtergaele. Direção de Diego Fortes. Atuou no Musical “O Grande Sucesso” com Alexandre Nero e direção de Diego Fortes. No Teatro Barracão Encena, “Isto é Bom” - Concerto Cênico de Zélia Brandão e "As Sete Caras da Verdade”, ópera cômica escrita por Nico Nicolaiewsky com direção cênica de Maurício Vogue. Compôs a trilha sonora para os documentários: Rozãngela e Rosemar, sobre a história de duas mulheres microempreendedores da costura no interior do Paraná. Realizado pela Platea Comunicação e Arte, com roteiro e direção de Luisa Bonin. Para teatro, a trilha sonora original da peça “Poses para Dormir”. Direção Diego Fortes. Museu Oscar Niemeyer (Espaço Araucária). No projeto "Translações: Literatura em Trânsito", da escritora Assionara Souza, a trilha para o áudio-livro. Ministrou aulas de piano popular junto ao CMPBC e hoje continua sua atividade de professor no seu próprio espaço. Em diversos Cursos e Oficinas de Música, participou como pianista acompanhador, bem como em cursos regulares no Conservatório de Música Popular de Curitiba.

 

FICHA TÉCNICA INSTITUCIONAL

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA

Prefeito

Rafael Greca de Macedo

FUNDAÇÃO CULTURAL DE CURITIBA

Presidente

Ana Cristina de Castro                                                             

Diretor Administrativo e Financeiro

Cristiano Augusto Solis de Figueiredo Morrissy

Diretor de Ação Cultural

Edson Bueno

Diretor de Planejamento

José Roberto Lança

Diretor de Patrimônio Histórico, Artístico e Cultural

Marcelo Sutil

Diretora de Incentivo à Cultura

Loismary Ângela Pache

INSTITUTO CURITIBA DE ARTE E CULTURA

Diretor Executivo

Marino Galvão Jr.

Gerente Administrativo/Financeiro

Maria Eduarda Rigos Maia Prata Bahls

Coordenadora de Música

Janete Andrade

Assessoria Jurídica

Simone Konitz

OFICINA DE MÚSICA DE CURITIBA

Direção Artística Geral

Janete Andrade

Direção Artística Música Erudita

Abel Rocha

Direção Artística Música Antiga

Rodolfo Richter

Direção Artística Música Popular Brasileira e Música e Tecnologia

João Egashira

Curadoria do Programa MusicaR

Ângela Deeke Sasse, Cristiane Alexandre, Guilherme Romanelli

Curadoria Circuíto Off

Glauco Sölter

Curadoria Oficina Verde

Marcia Squiba

Coordenação do Projeto e Secretaria

Lucilene Ribas

Coordenação de Produção

Lilian Ribas

Produção Executiva

Alício Cardoso

Rogério Dimi

Altair de Oliveira

Bete Carlos

Mario Marcelo de Oliveira

Projeto MusicaR

Daiana Hostins

Suellen Moraes

Arquivista

Clara de Lanna

Comunicação 

Ana Luzia Gori Palka Miranda

Midias Sociais

Viridiana de Macedo

Alessandra Pastuch

Gabriela Maciel de Castro

Fernanda Suemi de Brito Katto

Design Gráfico

Clarice Midori Umezaki Iwashita

Designers

Luana Chemin

Guto Stresser

Confecção de Programas

Darci Almeida

Suporte de TI

David Moura

Suporte de Edição

Cristiane Wozniak

Captação de Áudio

Eduardo Usui Schoetten

Técnico de Som

Beto Japa

Francisco Santarosa

Assistente

Tiago Bruel

Transmissão

Fauno Filmes

Produção

Gustavo Solieri

Direção

Ricardo Tomasi

Operação

Leandro Gulin

Assistente de produção

Paulo Macedo

Assistente de produção

Camila Luiza

          INFORMAÇÕES: www.oficinademusica.org.br

Transmissão: Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo

Horário
20h30
Preço
Gratuito

38ª OFICINA DE MÚSICA DE CURITIBA

ORQUESTRA SINFÔNICA DO ESTADO DE SÃO PAULO

Regência - Thierry Fischer

 

22 DE JANEIRO (SEX), 20H30

Transmissão pelo link: www.oficinademusica.org.br/aovivo

 

PROGRAMA

Alberto Nepomuceno (1864-1920)

Suíte Antiga, Op.11

I. Prelúdio

II. Minueto

III. Ária

IV. Rigaudon

 

Ludwig van Bethoven (1770-1827)

Sinfonia nº 2 em Ré Maior, Op.36

I. Adagio molto - Allegro con brio

II. Larghetto

III. Scherzo: Allegro

IV. Allegro molto

 

NOTAS DE PROGRAMA

Suíte Antiga, Op.11 de Alberto Nepomuceno

Nepomuceno é considerado o "pai" do nacionalismo na música erudita brasileira.  Aprendeu música com o pai, o maestro Vítor Augusto Nepomuceno, em Recife-Ceará, onde se tornou diretor musical do Clube Carlos Gomes (1882). Teve uma formação musical europeia. Casou-se com a pianista norueguesa Bang Walborg, aluna de Edvard Grieg (1843-1907), o mais célebre compositor norueguês, e ambos foram viver na casa de Grieg, em Belsen. A Suíte Antiga, Op. 11, foi composta na Noruega em 1893 e dedicada ao amigo Henrique Bernandelli. Em 1894, é executada pela Filarmônica de Berlim, sob a regência de Nepomuceno. Nela quis Nepomuceno reverenciar os clavenicistas do século XVIII. Não se trata entretanto, de uma imitação do estilo destes criadores, mas de uma verdadeira recriação a partir da sugestão dos distintos títulos: Prelúdio, Minueto, Ária, Rigaudon. A Ária é de uma beleza profunda e de uma expressividade sem paralelo em toda a produção brasileira da época.

 

Sinfonia nº 2 em Ré Maior, Op.36 de Ludwig van Bethoven 

A composição desta Sinfonia, foi estreada em Viena em Abril de 1803 sob direção de Beethoven. No carácter da Sinfonia predomina o brilhantismo e um marcado sentido de humor. A introdução Adagio molto apresenta contrastes marcantes, tanto no diálogo entre cordas e sopros como entre texturas de acordes e ritmos pontuados e o material melódico que lhes é intercalado. A introdução prossegue sem interrupção para o Allegro con brio, que apresenta o tema principal nos violoncelos e contrabaixos, em vez de optar pelos violinos, a solução mais convencional. O segundo tema principal também não segue a opção mais frequente neste contexto, que seria um tema de natureza lírica; este tema, de ritmo pontuado e carácter enérgico, dá relevo aos clarinetes, fagotes e a um reforço rítmico pelas trompas que confere uma cor particular a esta seção, em contraste com seções onde as cordas se evidenciam. Os instrumentos de sopro de madeira, nomeadamente os clarinetes e fagotes, estão também em evidência no 2º andamento, Larghetto, de carácter gracioso, recorrendo a figuras de acompanhamento variadas, desde figuração rápida até notas repetidas obsessivamente e que formam um tapete sonoro para o material melódico. O Scherzo joga também com os contrastes entre forte e piano, contrapondo motivos em staccato (notas destacadas) e motivos de pendor mais melódico. Uma seção central designada de Trio marca a sua distinção ao iniciar-se por um leque reduzido e mais intimista de instrumentos (oboé, clarinete, trompa). Finalmente, o Allegro molto é caracterizado por contrastes dinâmicos quase explosivos; tanto este aspecto como o próprio desenho melódico dos temas contribuem para uma percepção de vivacidade e humor.

 

Helena Marinho, 2015/Casa da Música-Portugal

 

SOBRE A ORQUESTRA

Detentora de importantes premiações, a Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo, tem papel de destaque no cenário sinfônico nacional e internacional. Desde seu primeiro concerto, em 1954, a Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo - Osesp - construiu uma trajetória de grande sucesso. A Orquestra é hoje parte indissociável da cultura paulista e brasileira, promovendo transformações culturais e sociais profundas. Nos primeiros anos, foi dirigida pelo maestro Souza Lima e pelo italiano Bruno Roccella, mais tarde sucedidos por Eleazar de Carvalho (1912-96), que por 24 anos esteve à frente Orquestra e desenvolveu intensa atividade. Eleazar deixou um projeto de reformulação da Osesp; e, com empenho do governador Mário Covas, foi realizada a escolha do maestro que conduziria essa nova fase na história da Orquestra. Em 1997, John Neschling assumiu a Direção Artística da Osesp e, com Roberto Minczuk como Diretor Artístico Adjunto, redefiniu e ampliou as propostas deixadas por Eleazar. Em pouco tempo, a Osesp abriu concursos no Brasil e no exterior e melhorou as condições de trabalho de seus músicos. A Sala São Paulo foi inaugurada em 1999 e, nos anos seguintes, foram criados os Coros Sinfônico, de Câmara, Juvenil e Infantil, o Centro de Documentação Musical, os Programas Educacionais – dentre eles a Academia de Música – e a editora de partituras. A criação da Fundação Osesp, em 2005, representou um marco na história da Orquestra. Com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso à frente do Conselho de Administração, a Fundação colocou em prática novos padrões de gestão, que se tornaram referência no meio cultural brasileiro. A Osesp iniciou a Temporada 2010 com a nomeação de Arthur Nestrovski como Diretor Artístico e do maestro francês Yan Pascal Tortelier como Regente Titular. Em 2012, a norte-americana Marin Alsop assumiu o posto de Regente Titular e, em 2013, de Diretora Musical da Orquestra, tendo Celso Antunes como Regente Associado de 2012 a 2016. 

Em 2020, o maestro suíço Thierry Fischer assumiu os postos de Regente Titular e Diretor Musical da Osesp, tornando-se Marin Alsop sua Regente de Honra.

Este concerto é uma realização da Fundação Osesp, Governo do Estado de São Paulo e Secretaria de Cultura e Economia Criativa, Secretaria Especial da Cultura, Ministério do Turismo e Governo Federal.

 

 

Programação

22 hoje sexta
6 eventos | Ver todos
mês anteriorjaneiro de 2021próximo mês
272829303112
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31123456

Gêneros